Logomarca da UnB
Logomarca do DAN

Logomarcas da UnB e do DAN Universidade de Brasília Departamento de Antropologia

Foto: Carlos Sautchuk

Ciências Sociais no DAN
Bacharelado em Ciências Sociais/ Antropologia

 A Antropologia, das Ciências Sociais, é a que mais se caracteriza por abordagens qualitativas e pela observação direta e participantes dos fenômenos sociais. Sendo um campo de investigação que tem por objeto o mundo social, entendido como criação humana complexa e marcada pela diversidade social e simbólica, a formação em Antropologia por nós oferecida habilita as e os egressos a compreenderem essa complexidade e essa diversidade.

O Bacharelado em Antropologia provê uma sólida formação teórico-metodológica, que qualifica na formulação e realização de pesquisas, geralmente orientadas para o conhecimento de valores e práticas de grupos sociais. Além de um currículo que dosa o aprendizado sistemático da teoria e da pesquisa, o curso proporciona uma variada gama de intercâmbios acadêmicos, no país e fora dele, e diferentes modalidades e experiências de ensino-aprendizagem.

Orientações para ingresso na UnB

O que faz um bacharel em antropologia?

As pessoas egressas do curso têm uma ampla arena de atuação, habilitando-se para diversas carreiras. Além de poder prosseguir com estudos avançados e pesquisas acadêmicas na pós-graduação, é possível desempenhar um conjunto de atividades profissionais, tanto no setor público quanto no privado, que requeiram conhecimento qualificado da realidade social. São exemplos: diagnóstico, planejamento, implementação e avaliação de políticas públicas de responsabilidade de instituições estatais da administração direta e indireta; atuação em museus e instituições de conservação e promoção do patrimônio cultural (material e imaterial); assessoria e desenvolvimento de pesquisas e projetos sociais em organizações da sociedade civil e não governamentais (ONGs), movimentos sociais e institutos de pesquisa de opinião; perícias antropológicas na esfera judicial; consultorias em estudos de impacto ambiental; e ensino (tanto em nível médio quanto superior) em instituições públicas e privadas.

Como o curso está montado?

O Curso de Ciências Sociais na UnB encontra-se atualmente organizado em 4 (quatro) habilitações: Antropologia, Sociologia, Ciências Sociais e Licenciatura Plena em Ciências Sociais. Ao ingressar no 1º semestre do curso, o/a estudante é automaticamente matriculado/a na opção 3166 - Licenciatura Plena em Ciências Sociais, não sendo necessário optar por qualquer habilitação nesse momento.

Nos três primeiros semestres do curso, a/os estudantes cursam um conjunto de disciplinas obrigatórias relativamente comuns às demais habilitações do curso: as disciplinas obrigatórias do tronco comum. Ao final desse período, ou seja, até o início do 4º semestre, espera-se que o/a estudante esteja em condições de definir-se por alguma das habilitações, ou então permanecer vinculado/a à Licenciatura. Assim, a partir do 4º semestre, o currículo de cada habilitação se desdobra em um conjunto diferente de disciplinas obrigatórias específicas. No caso do currículo da Habilitação em Antropologia, são 6 (seis) as disciplinas obrigatórias específicas a serem cursadas. Por fim, o/a estudante cursará 6 (seis) disciplinas obrigatórias seletivas selecionadas de um vasto conjunto de disciplinas ofertadas pelos Departamentos de Antropologia, Sociologia e Estudos Latino-Americanos, que enfocam uma ampla série de temas e problemas relevantes para o estudo da sociedade e da cultura – dando à/o estudante a oportunidade de escolher aquelas que melhor se adequem a seus interesses.

Em se tratando da Habilitação em Antropologia, cursando esses três conjuntos de disciplinas, o/a estudante terá integralizado o total de 168 créditos (2.520 hoas/aula) requerido para se graduarem. A formação inclui disciplinas ofertadas tanto pelo nosso Departamento quanto pelos Departamentos de Sociologia (SOL), Estudos Latino-Americanos (ELA), Economia (ECO), Historia (HIS), Filosofia (FIL) e Geografia (GEA).

O que se aprende no curso?

INTRODUÇÃO À ANTROPOLOGIA

O campo da antropologia e o paradoxo da unidade na diversidade: o humano na biologia e na cultura, a evolução humana como processo bio-cultural. Especificidades da Antropologia Social ou Cultural: o conceito de cultura e o princípio do relativismo cultural; o trabalho de campo e a observação participante como o método antropológico. Variedade temática da Antropologia Social: exemplos.

TEORIA ANTROPOLÓGICA 1

Exame das principais manifestações teóricas que contribuiram para a formação de conhecimento antropológico: 1) O século XIX e a teoria da evolução: Morgan, Tylor, Frazer e outros; 2) A formação das tradições: a) A Antropologia Francesa: Durkheim, Mauss e outros; b) A Antropologia Norte-Americana: Boas e seus primeiros discípulos; c) A Antropologia Britânica: Malinowski e R. Brown.

TEORIA ANTROPOLÓGICA 2

A disciplina dá continuidade à investigação dos fundamentos teóricos de obras etnográficas seminais, iniciado em Teoria Antropológica I. Nela analisa-se as implicações entre pesquisa e enfoque analítico, a partir de contribuições teóricas propostas a partir da metade do século XX. Além disso, atenta-se para os ecos das questões levantadas em tais obras nos debates antropológicos contemporâneos.

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ANTROPOLOGIA

Introdução e experimentação de métodos de pesquisa etnográfica e sistematização do conhecimento, a saber: pesquisa bibliográfica, observação participante, entrevistas, produção de textos etc. Construção do problema analítico em antropologia. Ambientes de pesquisa e suas especificidades. Ética e antropologia.

SEMINÁRIO DE PESQUISA ANTROPOLÓGICA

Disciplina tutorial voltada a treinar alunos já avançados do ciclo profissional na elaboração de projetos de pesquisa individuais e acompanhá-los nos primeiros passos da abordagem de um objeto de pesquisa real, de modo a habituá-los na aplicação crítica e adequada dos conhecimentos teóricos e metodológicos obtidos em outras disciplinas do curso, capacitando-os a um desempenho satisfatório na disciplina Dissertação e, posteriormente, nas atividades de pesquisa em sua vida profissional.

EXCURSÃO DIDÁTICA DE PESQUISA

Disciplina tutorial constituída por período de prática de trabalho de campo de cento e trinta e cinco dias, supervisionado por um orientador. Visa permitir aos alunos: 1) o desenvolvimento das habilidades necessárias para se introduzir num cotidiano alheio e, desta maneira, passar pela experiência de aproximar-se do estranho e estranhar-se do próximo, que é o aprendizado peculiar da Antropologia; 2) Aprofundar os seus conhecimentos sobre uma sociedade particular e 3) Atingir um certo grau de compreensão dos princípios que regem o convívio na comunidade estudada e que organizam sua visão de mundo. Deve resultar em relatório de pesquisa com compilação de dados necessários à elaboração de dissertação.

DISSERTAÇÃO

Disciplina tutorial voltada à realização de trabalho monográfico de caráter teórico ou resultante de pesquisa empírica, como aplicação de conhecimentos adquiridos durante o curso, e sob a orientação de professor especialmente designado, o qual avaliará o rendimento com a colaboração de outro docente.

TRADIÇÕES CULTURAIS BRASILEIRAS

A disciplina dará ênfase a debates que relacionem etnografias brasileiras recentes nas áreas de cultura popular e folclore com estudos antropológicos que historicizem e problematizem as noções de tradição, folclore, cultura popular e patrimônio imaterial.

ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS

O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno uma introdução ao estudo das práticas culturais, sociais e políticas relacionadas à população negra do Brasil, dando ênfase ao campo das relações sociais racializadas em que se inserem: a tensão entre as perspectivas da desigualdade socioeconômica/dominação e da diferença/alteridade cultural como uma questão social e acadêmica em emergência. Os alunos receberão elementos teóricos e empíricos capazes de levá-lo a compreender que a pluralidade ou diversidade historicamente construída da sociedade brasileira não é vivida tranquila e harmoniosamente como deixou entender o mito da democracia racial brasileira. Igualmente, propomos mostrar diferentes tradições afro-brasileiras e fomentar discussões sobre os estudos das relações raciais e inter-culturais em processos tais como a construção nacional, as artes e a religião na cultura popular, os movimentos de democratização e o pensamento filosófico no Brasil.

ANTROPOLOGIA ECONÔMICA

Analisar comparativamente os diversos sistemas econômicos em suas relações com a totalidade social da qual fazer parte. A ênfase principal recai sobre as economias arcaicas e primitivas, e sobre as economias camponesas, buscando desvendar sua lógica própria.

ANTROPOLOGIA DO GÊNERO

O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno uma introdução sobre a formação e transformações do campo de estudos de gênero, assim como sobre a abordagem antropológica do gênero. Temas como construção e desconstrução de identidades sociais, sexuais e de gênero serão abordados, assim como a intersecção entre diferentes marcadores sociais e gênero.

ANTROPOLOGIA POLÍTICA

Estudo das formas de organização política em sociedades sem estado, como proto-estado e com estado. Chefias e lideranças. Poder e autoridade. As interrelações entre o político, o social, o econômico e o religioso.

ORGANIZAÇÃO SOCIAL E PARENTESCO

Focaliza a problemática social e do parentesco através da análise dos esquemas conceituais que embasaram a teoria antropológica. A noção de estrutura em tradições antropológicas diversas. O parentesco em sociedades tradicionais e modernas, aprendido através de diferentes abordagens teóricas.

SOCIEDADES INDÍGENAS

Estudo dos aspectos sociais, econômicos, ecológicos, políticos, rituais, mitológicos, mágicos, religiosos e cosmológicos integrados em totalidades, através da leitura e discussão de monografias sobre algumas sociedades indígenas.

SOCIEDADES CAMPONESAS

A disciplina tem como objetivo analisar comparativamente diferentes grupos camponeses através do tempo e espaço, enfatizando suas especificidades quanto à organização econômica, moralidade, imaginários bem como suas relações sociais. Destaca-se ainda a análise de seu processo adaptativo face à modernidade assim como suas formas de inserção e relacionamento com outros grupos. Ênfase especial será dada a grupos camponeses brasileiros de distintas origens, através do estudo de monografias que abordem as dimensões acima especificadas.

SOCIEDADES COMPLEXAS

Esta disciplina examina a origem, a abrangência e a pertinência do conceito de "sociedades complexas" para a antropologia e seus modos de construção de conhecimento. Trata de distintos investimentos teóricos dedicados à plausibilidade contemporânea de enquadramentos analíticos como política, economia, ciência, religião, modernidade, dentre outros.

ANTROPOLOGIA DA ARTE

Apresentação do campo da antropologia da arte: a história de sua constituição, o debate sobre o conceito de estética e as diferentes abordagens teóricas no estudo antropológico das manifestações artísticas. Discussão crítica sobre temáticas recentes no campo: identidade e alteridade; apropriação e colecionamento; produção, mediação e circulação.

ANTROPOLOGIA DA RELIGIÃO

O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno a introdução e fundamentação de uma perspectiva antropológica para os estudos sobre religião, religiões e religiosidades. Será abordada a trajetória dos estudos antropológicos de religião, as teorias, etnografias e conceitos, através da leitura e discussão de estudos clássicos e contemporâneos do campo de estudos. Será trabalhado igualmente os desdobramentos temáticos e as articulações entre religião e outros temas contemporâneos.

IDENTIDADE E RELAÇÕES INTERÉTNICAS

A disciplina examina algumas contribuições da antropologia social para o estudo das relações interétnicas e da identidade étnica focalizando, sobretudo, o Braisl. Examinam-se noções de "aculturação", "transfiguração étnica", "fricção interétnica", e "situação histórica", assim como os conceitos de "identidade étnica", "etnicidade" e "cultura". Em seguida, apresentam-se alguns exemplos de trabalhos contemporâneos sobre o contato interétnico, dimensões da política indigenista e dos movimentos indígenas contemporâneos, e o papel do antropólogo em realizar laudos periciais. Aborda-se a interface entre nacionalidade e etnicidade entre povos indígenas em fronteiras. Examinam-se os processos contemporâneos de reelaboração étnica entre povos indígenas. Discutir-se-á novas identidades coletivas categorizadas pela antropologia como populações, comunidades ou povos "tradicionais", como o caso dos quilombolas.

INDIVÍDUO, CULTURA E SOCIEDADE

Os problemas e os desdobramentos do par conceitual indivíduo e sociedade. A fenomenologia de Alfred Schutz e da sociologia de Georg Simmel. A perspectiva interacionista de Erving Goffman. Aspectos afetivos e cognitivos da interação entre pessoa e coletividade. Conflito, identidade e intersubjetividade. Indivíduo, cultura e o sistema das relações sociais na antropologia.

CULTURA E MEIO AMBIENTE

A percepção contemporânea a respeito do meio-ambiente e as abordagens ecológicas no âmbito da teoria antropológica. Conhecimentos tradicionais sobre o ambiente e o debate acerca do patrimônio cultural e natural. Panorama da questão ambientalista (sobretudo unidades de conservação), enfatizando a ação do Estado, dos movimentos sociais, das organizações não-governamentais e das populações autóctones e o debate sobre a biodiversidade. Desenvolvimento de pesquisas científicas e suas relações com os conhecimentos tradicionais – controvérsias e aspectos legais. A crise ambiental na percepção social.

PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO BRASILEIRO

A disciplina objetiva apresentar e discutir as várias faces do pensamento antropológico brasileiro, desde os primeiros estudos vinculados à tradição de médicos antropólogos, as primeiras etnografias realizadas no Brasil, passando pelas diferentes correntes intelectuais que influenciaram a produção antropológica nacional. A presença dos antropólogos estrangeiros que residiram e lecionaram no Brasil. A criação das primeiras pós-graduações em Antropologia no país e a formação/atuação dos profissionais delas egressos. A apresentação dos principais debates acadêmicos desenvolvidos no Brasil e a avaliação das tendências teóricas dos principais autores contemporâneos.

ANTROPOLOGIA URBANA

Introdução à produção teórico-metodológica da antropologia urbana tanto no sentido de situar uma antropologia "na" cidade quanto no da elaboração de um olhar antropológico sobre a produção material e simbólica de espacialidades e sociabilidades urbanas. Apresentação de instrumentos para a produção de pesquisas em contextos urbanos, discutindo trabalhos etnográficos realizados em contextos diversos, principalmente no Brasil, e elaborados sob diferentes perspectivas teórico-metodológicas.

ANTROPOLOGIA DA SAÚDE

O adoecimento como fenômeno social, cultural e historicamente construído. As concepções culturais de saúde, doença, sofrimento, distúrbio, infortúnio e também cura, cuidado, convalescência, paliação, morrer e morte. Configurações do encontro clínico, dos serviços de saúde e das políticas voltadas à saúde. O pluralismo médico e os diferentes terapeutas elencados para curar e tratar. Protagonismo e organização de pacientes. O campo da antropologia da saúde no Brasil e na América Latina. Diferenças e aproximações entre antropologia da saúde e antropologia médica.

ANTROPOLOGIA DA MÚSICA

Estudo da música como cultura. O lugar das práticas musicais nos processos de reprodução sociocultural. Relações entre música e linguagem. Etnografia da música.

ANTROPOLOGIA LINGUÍSTICA

As relações entre Antropologia e Linguística. O lugar da linguagem nas teorias da sociedade e da cultura; relação entre língua, cultura e pensamento; relativismo linguístico. Linguagem, interação e relações sociais. 

ANTROPOLOGIA DA AMAZÔNIA

O curso tem o objetivo de apresentar diferentes visões e percepções sobre a Amazônia, de sua história, ocupação e dilemas, a partir de um interesse antropológico e numa perspectiva interdisciplinar.

ANTROPOLOGIA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA

O programa da disciplina deverá oferecer ao aluno contato com as principais referências teóricas da área, bem como a apresentação de um panorama atualizado de suas discussões. Espera-se que o tema seja apresentado através de uma composição entre sua teoria específica e práticas etnográficas sobre as ciências e tecnologias.

ANTROPOLOGIA DA MORTE E DO MORRER

O objetivo do curso é refletir sobre o fenômeno do morrer e também da morte. Estudos sobre a morte sempre estiveram presentes na Antropologia, desde seus fundamentos clássicos e continuam a permear as preocupações mais contemporâneas da disciplina. Algumas questões que podem ser discutidas são, por exemplo: facetas sobre as experiências moribundas (doenças terminais e cuidados/cuidadores paliativos, doulagem da morte, etc.), as formas de morrer (como o suicídio, o homicídio, acidentes, eutanásia e ortonásia, etc.), os ritos de despedida, separação e passagem (funerais e funerárias, facilitadores religiosos, edificações e lápides, celebrações, etc.), os modos de resistência e contestação (exumações, laudos e atestados, compensações, investigações e perícias, movimentos sociais etc.), os estados liminares entre vida-morte (morte cerebral, tráfico e transplantes de órgãos, sequestro, morte violenta e desaparição, comunicação intermundos, reprodução assistida post mortem, amputações etc.), mudanças de status (viuvez, orfandade, fantasmas e assombrações, heroísmo e condecorações militares, etc.), produção de documentos e memórias (testamentos, biografias, obituários e homenagens, álbuns de fotografia, burocracias e ocorrências policiais, manifestações de saudade etc.). Textos clássicos e literários, mas também textos etnográficos recentes deverão ser lidos e discutidos.

ANTROPOLOGIA DA TÉCNICA

O programa da disciplina apresenta e discute algumas das principais formas de abordagem da técnica que atravessam a antropologia, buscando evidenciar diferentes temas, conceitos e métodos.

ANTROPOLOGIA DAS MIGRAÇÕES

O curso pretende abordar discussões clássicas e contemporâneas referentes aos fluxos migratórios por meio da leitura de artigos, ensaios e etnografias. O enfoque temático está no movimento diversificado de pessoas e nos consequentes processos de circulações de coisas, informações, ideias, símbolos e valores que o acompanham. Tais fluxos serão observados em diferentes escalas - local, regional, continental, global - por meio de discussões capazes de incorporar a profundidade histórica das experiências de circulação e de provocar um novo olhar sobre a articulação entre esses movimentos e a delimitação de limites socioculturais de tipos variados.

ANTROPOLOGIA DO CONSUMO

O curso objetiva explorar termas associados ao consumo, consumidores, consumismo abordando teorias e pesquisas sociológicas e antropológicas que os tomam como objeto de estudo. O interesse é explorar o consumo como um fenômeno que põe em relevo relações sociais que são transversalizadas por suas práticas e, nesse sentido, transitaremos entre temáticas como: teoria das compras, consumo na vida cotidiana, centralidade do consumo na chamada pós-modernidade e no “mundo globalizado”, debates políticos, bens materiais e imateriais, consumo como indicador de status.

ANTROPOLOGIA DO CORPO E DA PESSOA

As noções de corpo e pessoa na Antropologia. Diversidade etnográfica e de abordagem teórica dessas noções na Antropologia. As origens do individualismo na modernidade. Sexualidade e gênero.

ANTROPOLOGIA E DEFICIÊNCIA(S)

Dentre as variadas categorias de experiência, a deficiência só muito recentemente tem recebido atenção da Antropologia. Considerar a deficiência, como um importante fenômeno social, nos permite lidar com questões de corporalidade, cuidado, interdependência, tecnologia, saúde, trabalho, cidade, direitos, militância, Estado etc. O objetivo desse curso é conhecer as principais teorias que, na atualidade, transitam e são acionadas para explicar, cuidar e gerir as condições tidas como “deficiências”. Também pretende apresentar discussões contemporâneas que a Antropologia tem proposto a partir de enquadramentos de gênero, trabalho, sexualidade, etnicidade, identidade.

ANTROPOLOGIA E LITERATURA

Esse curso tem como objetivos: estimular que a literatura se torne parte central das leituras cotidianas de estudantes de antropologia; fazer conexões recíprocas entre literatura e antropologia para pensar sobre pesquisa, construção e registro de dados e comunicação de resultados; aprender sobre modos de descrição, contextualização, narração e enredo com a literatura; provocar a escrita antropológica com mais ousadia, criatividade e acessibilidade para o público; explorar possibilidades para contar sobre experiências sensíveis, indizíveis, impronunciáveis, incomensuráveis, dolorosas, secretas, perigosas, íntimas; e aproximar o público leitor das antropólogas, das interlocutoras, das vidas.

ANTROPOLOGIA E MEDICAMENTOS

A disciplina tem por objetivo conhecer e discutir uma série de facetas históricas e contemporâneas dos medicamentos, especialmente alopáticos e industrializados, mas também artesanais e menos oficiais, a partir de uma perspectiva simbólica, econômica, ética e política. Estudos etnográficos recentes aprofundam questões complexas sobre os processos de testagem, produção, distribuição, acesso, adesão, consumo e descarte dos medicamentos, envolvendo nuances de classe, gênero, geração, etnia. Fenômenos que envolvem medicamentos diretamente, como testes clínicos, efeito placebo, efeito colateral, iatrogenia, tráfico, regulamentação, ativismo de pacientes, judicialização do acesso serão discutidos à luz de exemplos recentes. Espera-se estimular análises críticas e independentes sobre o lugar, tradicionalmente tão familiar e naturalizado, dos medicamentos na saúde e no imaginário imediato de seu meio.

ANTROPOLOGIA E MERCADO DE TRABALHO

O objetivo da disciplina é apresentar e discutir cenários possíveis de mercado de trabalho para cientistas sociais, em especial antropólogas, uma vez formadas. O curso aposta no sentido de estimular mais criatividade para encontrar trabalho e, sobretudo, ampliar o conhecimento sobre os espaços e perfis de empregos já existentes e receptivos, dentro da academia e também em ambientes profissionais não acadêmicos. A ideia é de que, ampliando os horizontes sobre o mercado de trabalho, as estudantes possam compreender as possibilidades de aplicação e desenvolvimento de suas áreas de estudo, envolver-se mais com seu curso de graduação e já orientá-lo para perfis profissionais de sua preferência.

ANTROPOLOGIA VISUAL

A narrativa visual e seus usos na pesquisa em Ciências Sociais, particularmente o uso da fotografia e do vídeo na pesquisa antropológica, incluindo discussões epistemológicas e perspectivas práticas.

ARQUEOLOGIA E OS MUNDOS INDÍGENAS PRÉ-COLOMBIANOS

O curso tem o objetivo duplo de apresentar, por uma parte, os métodos e aportes da arqueologia para o conhecimento etnológico e antropológico, e, por outra parte, estudar as formas de vida indígenas, especialmente no Brasil, antes da chegada dos europeus.

CHINA: QUESTÕES SOCIOCULTURAIS

A disciplina visa: (i) ampliar o escopo de possibilidades de pensar antropologicamente sobre sociedades complexas e processos de transformação social, além de proporcionar aos estudantes contato com material histórico e etnográfico acerca de uma região sociocultural sobre a qual se conhece pouco no Brasil; (ii) proporcionar, a partir de abordagem antropológica, uma visão introdutória das configurações sociais chinesas em algumas de suas dimensões culturais de maior e menor duração em termos históricos e amplitude espacial; e (iii) pensar diferentes experiências das intensas mudanças sociais vividas na história mais recente desse país e suas implicações para questões mais amplas como dinâmicas de globalização contemporânea, a partir de universos sociais específicos, como as grandes cidades, as fábricas que fornecem mercadorias para o mundo, a experiência de estrangeiros na China e de chineses em diferentes partes do mundo.

COMUNIDADES QUILOMBOLAS

A disciplina visa discutir em termos históricos e atuais a formação das comunidades quilombolas rurais e urbanas com ênfase nos seus aspectos identitários, territoriais e socioculturais. 

ESTILOS DE ANTROPOLOGIA

A disciplina a borda os estilos de antropologia em diversos contextos nacionais de forma comparativa.

ETNOGRAFIA DAS INSTITUIÇÕES

O curso tem como objetivo principal desenvolver reflexões teóricas e metodológicas sobre pesquisas etnográficas em diferentes tipos de instituições e organizações, considerando: os indivíduos que dão vida às instituições (seus valores, relações, saberes e trajetórias); e o espaço social em que a instituição se insere (relações de poder, normas e valores próprios aos diferentes campos sociais).

INDIGENISMO

O programa da disciplina procura refletir sobre a presença dos povos indígenas no Estado-Nação brasileiro. Oferece aos estudantes um panorama histórico da chamada “questão indígena” no Brasil e discute, teórica e empiricamente, as políticas destinadas aos índios e os principais desafios contemporâneos para a garantia dos direitos desses povos.

Posso ter mais de uma habilitação?

O (A) aluno(a) do Curso de Ciências Sociais pode optar por uma ou mais habilitações e muitos obtêm, de fato, mais de uma, sendo muito frequente e altamente recomendável a dupla habilitação - seja Antropologia e Sociologia, seja Antropologia e Licenciatura. Como o currículo das habilitações é idêntico até o terceiro semestre, os alunos que desejem habilitar-se em mais de uma área só precisarão fazer suas solicitações após terem cursado as disciplinas obrigatórias comuns, ou seja, ao final do terceiro semestre letivo.

Saiba mais sobre as demais habilitações em ciências sociais:



Image
Campus Universitário Darcy Ribeiro (UnB)

Edifício do Instituto de Ciências Sociais (ICS)

Departamento de Antropologia (DAN)

Brasília/DF, Brasil

CEP: 70910-900
+55 (61) 3107-1550

+55 (61) 3107-1551